Yoga Sexual

Tomado do livro “Trabajos Parapsicológicos Infalibles”, edição 2007. Autor: José Maria Herrou Aragon 

1. Em que consiste

Yoga significa união, voltar a unirmos com nosso verdadeiro ser. É interessante observar que a palavra religião significa algo parecido. Vem do latim religare: re-unir, unir novamente.

Falamos de yoga sexual porque para lograr o fim supremo do yoga é preciso utilizar a energia sexual. Ela é o mais indicado agente capaz de provocar em quem o pratique os mais imensos e profundos benefícios espirituais. Através do yoga sexual é possível alcançar a grande liberação espiritual em uma só vida, por isso se denomina “a via rápida” a este caminho.

As origens do yoga sexual se perdem na mais remota antiguidade. Conta a lenda que era uma prática comum entre os magos e sacerdotes de Atlântida, Suméria e Egito. Posteriormente alcançou um grande desenvolvimento na Índia (tantrismo indiano), para estender-se logo ao Tibet (tantrismo tibetano) e China (taoísmo). Os fundadores dos grandes movimentos religiosos e muitos dos homens mais ilustres da história o praticaram. O yoga sexual é a base e ponto de partida da religião e da magia.

Este yoga considera o sexo como algo transcendente que, sabiamente utilizado, produz imensas transformações em quem o pratica. Transformações físicas, psíquicas e sobretudo espirituais. A sexualidade, que nos animais está a serviço da reprodução e no homem também está ao serviço do prazer, neste caso é posta a serviço da liberação espiritual, capaz de elevar o homem a um nível superhumano.

Sendo a sexualidade a mais forte dos impulsos humanos, ao colocá-la a trabalhar para a própria liberação fica assegurada uma poderosa e rápida experiência. A única capaz de tirar o homem do abismo em que se encontra e conduzi-lo às mais altas cimeiras do espírito. O desejo sexual só poderá ser transcendido a partir do próprio desejo. 

Sobre esta utilização do sexo como agente da liberação e transcendência espirituais, várias frases comuns da antiga Índia são a melhor ilustração a respeito:

“O mesmo meio de cair se converte no meio da liberação”.

“Pelo mesmo meio que o homem comum se autodestrói e aniquila, o yogui obtém a Grande Liberação”.

“Um adepto deste yoga obtém sua salvação através das mesmas coisas que nos demais são causa de sua perdição”.

“Com os mesmos atos que fazem queimar os homens por milhões de anos, o yogui obtém sua salvação eterna”.

O yoga sexual é a técnica mais apropriada para nossa era de Kali-Yuga, sombria etapa atual histórico-cósmica na qual o espírito está profundamente velado pela carne.

2. Como fazer

a. Orgasmo e abstinência

São poucos os homens que conhecem os desastres que produz o orgasmo. Cada orgasmo significa uma perda terrível de energia e uma grande deterioração física, sobretudo do cérebro.

Por causa do orgasmo a mente a vida do homem se apagam como uma lâmpada. O orgasmo é uma autêntica castração, pura e simples. Nele deve-se buscar a causa da maioria dos males que afligem a humanidade.

O orgasmo não produz um verdadeiro prazer, pois só dura um segundo. Tampouco é satisfatório, pois nos deixa uma sensação de vazio. No orgasmo está a causa do cansaço e separação dos amantes, pois rompe a magia do amor e do desejo.

É um engano aquilo de “o orgasmo traz felicidade”. A perda de energia só pode satisfazer ao nosso corpo e nossa alma animal, não a nosso espírito. Assim como separa os amantes, assim aliena o homem de seu verdadeiro ser. O orgasmo constitui um autêntico suicídio, físico e espiritual, a maior agressão e traição que pode um homem cometer contra si mesmo. Lástima que poucos o saibam.

De todas as formas de chegar ao orgasmo, a masturbação é a mais destrutiva de todas. O que se masturba se reconhece facilmente pelo estúpido e inútil que é. Comete erros a cada passo e não serve para nada. À masturbação se seguem o orgasmo durante o coito e por último as poluções noturnas, ou seja os orgasmos que sucedem durante o sono.

A maioria dos homens se conforta no orgasmo porque ninguém os ensinou a fazer outra coisa. Aqueles que ensinam que o orgasmo é bom infligiram e infligem um grande dano à humanidade.

Devemos recordar sempre que a excitação desperta, enquanto o relaxamento adormece, e que a meta interior de cada homem é a de despertar o quanto antes possível. Neste mundo não estamos para consumir oxigênio apenas, nem para perder tempo. Somos homens, não animais e nossas responsabilidades são diferentes. Desta vida não levamos nem o dinheiro nem os momento efêmeros do prazer, nós levamos apenas nossas realizações e conquistas do espírito. A vida é demasiado breve para ser gasta correndo de um orgasmo ao outro.

Muitos seres humanos cansados do orgasmo quiseram outro caminho, mas nas sociedades modernas quase tudo gira ao redor da perda e consumo de energias.

O caminho que tradicionalmente tratou de se impor aos homens é o caminho da abstinência sexual. É o que ensinam e sempre ensinaram as grandes religiões. Consiste em evitar o sexo e as relações sexuais. Também proíbem a masturbação, ainda que sempre a prefiram à “imoralidade” das relações sexuais. Estas práticas de abstinência sexual não vêem como algo mal os orgasmos noturnos, os quais seriam “uma natural descarga sexual depois de muitos dias de abstinência”. Evidentemente, o que preocupa a esses grupos religiosos não é a perda de energias sexuais mas a “moralidade” e evitar o coito carnal.

Esse tipo de abstinência ou repressão sexual é igual ou pior que o orgasmo. Mesmo no suposto caso em que a pessoa poderia evitar não só o coito como também a masturbação e os orgasmos durante o sono, os resultados seriam desastrosos. Os órgãos sexuais e os órgãos próximo a eles, como o estômago, fígado, pâncreas, intestinos, etc., não estão preparados para suportar a tremenda pressão das energias sexuais acumuladas. Em pouco tempo esses órgãos se adoentariam e logo o corpo todo. Também na esfera psíquica os danos seriam grandes. Apareceriam a agressividade e o mal humor, a ira, perversões sexuais, intolerância para com os demais e toda classe de transtornos e conflitos psíquicos. Aqueles que ensinam que a repressão sexual é algo útil e benéfico têm feito um dano muito grande à humanidade.

Ao longo da história a humanidade experimentou alternativamente diferentes ciclos de libertinagem e repressão sexual, sem nenhum resultado. Isso ocorreu porque os autênticos segredos da abstinência sexual, tal como foi ensinado pelos fundadores das grandes religiões, foi deliberadamente desfigurado e desvirtuado. A deformação das grandes verdades do yoga sexual alienou a grande massa humana do caminho do despertar e da liberação espiritual. Felizmente, esses grandes segredos não desapareceram nunca por completo, sendo guardados durante milênios por ínfimos grupos de adeptos. Não se trata de negar as relações sexuais, se trata de negar a perda das energias e de transmutá-las logo. Essa é a nova sexualidade que o mundo espera, a qual é tão antiga quanto o próprio homem.

b. Abstinência orgástica

Não se trata de rechaçar o sexo, se trata de evitar o orgasmo. Isso significa que devemos ao menos reduzir o número deles. Esta suspensão do orgasmo é fundamental para as práticas de yoga. Podemos suspender por um tempo, até haver alcançado nossas metas, ou seguir esse caminho para sempre.

Os orgasmos podem se reduzir a princípio a um por semana ou a cada quinze dias. Um orgasmo a cada vinte ou trinta dias é muito melhor e mais ainda a cada quarenta, cinquenta ou sessenta dias. Podemos começar com um por semana e logo ir ampliando paulatinamente nossos lapsos de abstenção. Um orgasmo a cada trinta, quarenta ou mais dias não é destrutivo. Na velhice pode chegar-se ao “zero orgasmo” se quiser.

Evitando o orgasmo ou reduzindo ao mínimo seu número, todas as energias permanecem em nosso interior, enriquecendo-nos física e psiquicamente todo o tempo. Sem a acumulação destas energias nenhuma realização espiritual é possível.

Para conseguir a abstenção orgástica podemos utilizar a autoinfluência psíquica todas as noites. Além disso, o uso intenso das técnicas parapsicológicas de influência direta, sobretudo a influência sexual, consome nossa energia seminal, o que nos ajudará a evitar os orgasmos involuntários. Além disso, as duas técnicas que veremos em seguida constituem excelentes métodos  para conseguir isto.

c. Elevação das emanações sexuais

Durante a abstinência orgástica o mais importante é a elevação das emanações ou energias sutis que vêm do sêmen, não fazê-lo é expor-se a sérias consequências. Já dissemos que um excesso de energia na zona genital afetaria a todos os órgãos próximos, prejudicando-os. Essa é a chave principal que em geral descuidam quem pratica a abstinência orgástica.

O sêmen é produzido até alcançar um certo nível e logo cessa de aumentar, mantendo-se constante a sua quantidade. São as emanações tênues e poderosas do sêmen acumulado as que fluem constantemente São essas emanações que perturbariam os órgãos próximos e logo ao corpo todo, se permitíssemos sua acumulação na zona genital. Já dissemos que a zona inferior do corpo não está preparada para suportar a terrível pressão dessas energias seminais acumuladas. Só restam dois caminhos: para fora ou para baixo, como faz o homem comum através do orgasmo, ou para dentro e para cima, como faz o homem superior e desperto. Esse último produz a elevação voluntária e consciente de suas emanações seminais.

O único órgão capaz de suportar sem se destruir a pressão das emanações é o cérebro, e até lá devem ser elevadas. Para o cérebro, as emanações sexuais são um verdadeiro alimento e ali devem acumular-se. Logo o cérebro distribuirá as energias restantes nas zonas corporais que julgue convenientes. Mas nossa tarefa deve ser a de elevar e acumular em nosso cérebro as sutis energias de nosso sexo. Inclusive com o tempo, cada um poderá por si mesmo a cavidade secreta do cérebro onde devem se acumular mais exatamente as emanações. Desta maneira o yogui fecunda seu próprio cérebro, o qual lhe dará frutos. As emanações do sêmen são originadas no cérebro e de lá descem aos genitais. Depois de cada orgasmo o cérebro deve fazer descer mais energias, o que termina esgotando-o. As emanações seminais vêm do cérebro e para lá devem regressar.

As tênues e sutis emanações seminais respondem facilmente à vontade humana, no homem e na mulher igualmente. Não só o homem, também a mulher possui sêmen, ainda que ligeiramente distinto em aparência. Logo falaremos dele.

Podemos efetuar a elevação das emanações em qualquer momento e lugar, durante o dia ou noite. Podemos estar encostados, sentados ou de pé enquanto fazemos, e com os olhos abertos ou fechados, é a mesma coisa. A chave está em visualizar ou imaginar uma espécie de fumaça branca que partindo dos testículos se eleva até o cérebro. Essa elevação da fumaça branca se produz no interior do corpo, se possível por dentro da coluna vertebral. Não é necessária a visualização da coluna vertebral ou dos órgãos do corpo, o importante está em visualizar as emanações em forma de fumaça branca elevando-se por dentro do corpo, desde os testículos até o cérebro. Uma vez elevadas até o cérebro devem banhá-lo totalmente, permanecendo e acumulando-se ali. A mulher, carecendo de testículos deve elevar as emanações desde seu equivalente, os ovários, ou melhor ainda desde a zona onde ela perceba que está seu centro de energia sexual, o receptáculo interno de suas emanações. Seja dos ovários ou de seu centro de energia sexual, o melhor é deixar que as sensações e a intuição de cada mulher sejam seu próprio guia. Cada mulher saberá como fazê-lo. Se bem que os ovários são a contraparte feminina dos testículos do varão, não são aqueles os receptáculos do sêmen. O sêmen feminino está localizado em outro lugar e isso cada mulher poderá intuir. Só devemos recordar que as emanações se encontram onde se encontra o sêmen, seja ele masculino ou feminino. Nas práticas do yoga sexual os melhores conselheiros são a intuição, a imaginação e a experimentação.

Outra coisa muito importante de recordar é que a elevação das emanações deve realizar-se com toda naturalidade, sem forçar nada. A fumaça branca que visualizamos deve elevar-se suavemente, com calma e sem obstáculos, como ocorreria no vácuo. Não deve chocar com órgãos nem parecer algo sólido. Se trata apenas de fumaça branca, uma tênue emanação, suave como as asas de uma mariposa e em seu regresso até o cérebro não deve perturbar-nos e sim enriquecer-nos.

A elevação das emanações seminais descongestiona imediatamente a zona genital e isso é muito fácil de comprovar. Produz alivio sexual imediato, diminuindo totalmente a possibilidade de orgasmos involuntários. Se acalmam assim os desejos sexuais e se acende o cérebro.

Essas práticas de elevação podem começar por cinco ou dez minutos diários, lapso que pode ir aumentando a medida que aumenta a concentração do sêmen e portanto das emanações. Deve praticar-se a elevação diariamente, tanto tempo e tantas vezes quanto cada praticante necessite, desde uns poucos minutos até várias horas. É uma prática muito prazerosa. Alguns a fazem enquanto viajam, enquanto vêem televisão, em momentos anteriores ao sono, etc. Cada um encontrará por si mesmo seu próprio ritmo e necessidade.

d. O maithuna

O maithuna é o coito comum, só que desprovido de orgasmo. Ambos os parceiros devem separar-se antes do orgasmo, afim de evitá-lo. O maithuna é o ato sexual sagrado e nele todo jogo sexual está permitido menos uma coisa: o orgasmo.

Na Nova Sexualidade para esta era de Kali-Yuga, não deve negar-se o sexo nem as relações sexuais. Só deve ser evitado o orgasmo, a perda da energia. Neste caso o vazio do orgasmo é trocado pelo cultivo e desenvolvimento da energia sexual. O êxtase e felicidade alcançados com estas práticas são infinitamente superiores à “pequena morte” do orgasmo.

A finalidade imediata do maithuna é a de agitar e aumentar as emanações sexuais e provocar um intercâmbio dos fluidos sutis entre os parceiros. Além disso, a prática do maithuna diminui a possibilidade de orgasmos involuntários durante o sono, ainda que esta possibilidade é muito pequena se foram elevadas até o cérebro as emanações seminais.

Uma prática interessante é a de elevar as emanações durante ou depois do maithuna, momento em que o fogo sexual se encontra notavelmente avivado. No caso do homem, isso pode ser feito antes, durante ou depois da ereção, não faz diferença. Igualmente, o maithuna pode ser diário ou periódico e estender-se durante todo o tempo que se deseje, evitando os exageros que poderiam produzir o orgasmo.

Outra forma de maithuna consiste na união sexual sem penetração, limitada só a beijos, abraços e carícias. Também ambos os parceiros podem estar juntos na cama só abraçados, ou também sem sequer se tocarem. Estas formas de maithuna igualmente produzem agitação e intercâmbio das emanações, sendo as mais indicadas para espíritos excessivamente apaixonados.

Há também formas de maithuna realizadas com um companheiro sexual imaginário ou distante, o qual é visualizado mentalmente.

3. O mais importante a se ter em conta

a. O cérebro deve ser reparado

Diferentes substâncias e energias do cérebro intervêm na produção do sêmen, por isso as perdas seminais são uma verdadeira catástrofe para o cérebro. Os repetidos orgasmos debilitam o cérebro até esgotá-lo totalmente. Já dissemos que o coito, a masturbação e o orgasmo durante o sono são as três formas em que pode ocorrer o orgasmo. Delas, a mais destrutiva é a masturbação. Produz muito mais esgotamento e aniquilação psicofísica do que o orgasmo comum efetuado durante a cópula. Os seres assim esgotados de energia é comum que recorram ao álcool, drogas ou comida em excesso, em uma infrutífera tentativa de preencher o vazio energético terrível que os orgasmos produziram.

As energias do cérebro e as energias seminais são uma e a mesma energia. Essas energias provocam excitação sexual se acumuladas na zona genital, mas se são acumuladas no cérebro têm a faculdade de repará-lo e aumentar todas as suas faculdades e poderes latentes. O sêmen deve ser conservado como o maior dos tesouros porque contém todas as energias capazes de produzir a reparação e evolução do cérebro. Por causa da perda das energias seminais o cérebro se encontra deteriorado, esgotado e adormecido, na maioria dos seres humanos. Só através da acumulação destas mesmas energias é possível sua reparação e posterior desenvolvimento. Por isso é difícil que quem tenha experimentado as virtudes do yoga sexual deseje retornar ao vazio do orgasmo.

As práticas do yoga sexual podem realizar-se apenas por um tempo, até haver alcançado a reparação total do cérebro, cuidando logo de não debilitá-lo novamente. Chegado a certo ponto de desenvolvimento, um orgasmo periódico não poderá fazer-lhe nenhum dano. Aqueles que não se conformam com um cérebro reparado e desejam um desenvolvimento cerebral total, quer dizer, o despertar de todas as suas potencialidades latentes, mágicas e espirituais, deverão perseverar muito mais tempo com estas práticas, quiçá para sempre. Tudo é questão de experimentar e insistir na mesma direção.

b. Só ou em casal

O livro sagrado Guhya Samaja Tantra declara que a abstinência apenas não basta para salvar-se, um parceiro é necessário. Mesmo que seja só por um período, mais ou menos prolongado. As práticas do yoga sexual podem começar estando sozinhos ou em casal, é o mesmo. Se começarmos estando sozinhos, através da paulatina acumulação de energias o companheiro tântrico aparecerá naturalmente, atraído pela suprema energia e magnetismo que irradiará o praticante, que também poderá recorrer à autoinfluência psíquica para atraí-lo.

Para as práticas do yoga sexual não é necessária a quietude ou solidão dos Himalayas. Pelo contrário, nossas cidades modernas cheias de tentações são o ambiente mais propício e desafiador para aquele que decida vencer a si mesmo. Tampouco importam a idade e as inclinações sexuais do praticante, pois todos podem beneficiar-se por igual com este yoga se persistirem e experimentarem. No yoga sexual não há regras fixas, válidas para todos por igual, só há orientações gerais. Cada um deve insistir muito, até encontrar por sua conta o que é certo para elas.

c. Os primeiros resultados

Em poucos dias de práticas já se notarão alguns primeiros resultados, sobretudo sensações de plenitude e satisfação, fruto da crescente energização. Em alguns casos podem ocorrer ligeiras tonturas, sonolência ou alguma dor de cabeça, pois o cérebro não está acostumado a tanta energia. Estes sintomas normalmente duram pouco tempo e não devem preocupar-nos, pois é um processo natural de recuperação que não apresenta nenhum perigo. O cérebro rapidamente se adaptará a este novo estado.

Em caso de dor ou mal estar temporário na cabeça, as práticas de influência direta sobre pessoas ou as de influência sexual parapsicológica, normalmente são suficientes para eliminá-los. A influência parapsicológica produz gasto de energias e isso nos aliviará da transitória pressão energética de que falamos.

d. Os alimentos proibidos

Todo aquele que pratique o yoga sexual, deve abster-se daqueles alimentos que produzem uma grande inflamação e excitação dos órgãos sexuais. Os mais prejudiciais são o alho, a cebola, a pimenta e o aipo. Em menor medida mas também contra indicadas são as nozes, carnes vermelhas, álcool e todo excitante e afrodisíaco. Os quatro alimentos proibidos que nomeamos inicialmente, sobretudo o alho e a cebola, são verdadeiros remédios em caso de enfermidade, mas no caminho espiritual estão proibidos, pela excitação sexual que produzem.

O melhor é uma dieta de baixas calorias. Vegetais crus e fervidos, frutas, lácteos e carne de frango e peixe são o mais indicado.

4. Benefícios que produz

A prática do yoga sexual constitui a experiência mais intensa e inesquecível que um homem pode enfrentar em sua existência. Para quem o pratica sua vida se divide em um antes e depois do yoga sexual. Além dos benefícios descrevemos, o yoga sexual produz inumeráveis transformações físicas, psicológicas, parapsicológicas e sobretudo espirituais.

Em um nível físico, além da reparação do cérebro se adquire uma saúde perfeita e uma vitalidade que logo se transmitirá aos descendentes. Se ativa o sistema imunológico e põe em marcha os processos de rejuvenescimento e longevidade. Todas as células e tecidos do corpo, glândulas e demais órgãos adquirem uma inusitada energia. Aumenta também a resistência ao frio, calor, fome, sede e a qualquer dor, física ou psíquica.

Em um nível psicológico, o yoga sexual elimina a timidez, a depressão e a indecisão. Se superam os traumas, complexos e conflitos psíquicos da infância, assim como os sentimentos de culpa, insegurança e inferioridade. Perdem-se os medos e fobias de toda a índole. Melhora a voz e a oratória. Outorga uma nova autoconfiança e segurança que dão poder sobre os demais. Essa mesma força e segurança impede que sejamos dominados ou manipulados por outras pessoas. Aumentam a memória e a inteligência. A vontade assume uma intensidade nunca antes conhecida e o mesmo acontece com a capacidade de concentração. É fácil comprovar que o segredo da concentração mental está na concentração de energias seminais no cérebro. Também se recordam coisas esquecidas e todo o inconsciente se faz consciente em breve tempo.

Através do yoga sexual, se adquire uma incrível sensação de estar todo o tempo desperto e consciente de si mesmo e do mundo. Tudo isto acontece de forma automática e sem buscar, é suficiente praticar as técnicas descritas. Com elas o homem desperta do grande sono em que está imerso sem saber. Pode chegar a ser ele mesmo, único e individual, livre tanto do socialismo de alguns insetos como da mente grupal das plantas e animais inferiores. Poderá assim emancipar-se de tudo que existe e sentir-se como o que é, uma criatura única e livre no universo. Compreenderá a terrível fugacidade da vida e tomará consciência da estupidez e mecanicidade humana que o rodeia. Jamais voltará a sentir solidão nem tristeza e sua criatividade receberá um impulso incomum. Poderá alcançar um estado de compreensão psíquica em que todos os elementos opostos de sua psique estarão unificados. Com este yoga podemos adquirir a faculdade de conhecer como é uma pessoa interiormente e em que nível de evolução mental se encontra, apenas dialogando com ela por alguns minutos. Igualmente, se aproximarão de nós pessoas fortes e de grande energia, de acordo com o aumento de energia que vamos procurando em nós mesmos. O praticante deste yoga adquire em pouco tempo uma sensação permanente de gozo, paz e felicidade.

A nível de casais, o yoga sexual nos beneficia ao dotar-nos de um incrível magnetismo pessoal e sexual. As pessoas olharão assombradas quando andarmos pela rua, pois sentirão imediatamente nossa energia ao aproximarem-se de nós. Muitas delas se sentirão atraídas sexualmente e enamoradas. O yoga sexual quintuplica o desejo sexual e elimina a impotência e a ejaculação precoce no homem, assim como a frigidez feminina. Desperta o amor e a paixão no casal, que perdurará indefinidamente com um enriquecimento emocional sem limites. Só os orgasmos podem destruir o amor e a paixão no casal. O desejo e a energia despertam o homem, enquanto o orgasmo o confunde e o deixa estúpido. Devemos ter sempre presente que o bem é aquilo que pode despertar a um homem e o mal é aquilo que o adormece. Com esta nova sexualidade ambos os parceiros irão para a cama para aumentar seu amor e suas energias, não para perdê-las. A vida de ambos se verá assim enriquecida e surgirão entre eles os mais belos jogos e acontecimentos. Nosso mundo cotidiano e cinzento se tornará mágico subitamente e poderemos perceber a verdadeira realidade de cada corpo, palavra, forma e pensamento. Coisas nunca vistas anteriormente irão capturar nossa atenção e descobriremos a secreta realidade por trás de cada forma. Não há maior prazer nem satisfação do que os do yoga sexual.

Em um nível parapsicológico alcançaremos uma capacidade sem igual em pouco tempo. Os êxitos que havíamos obtido anteriormente com o emprego das técnicas parapsicológicas não serão nada comparados com estas novas aquisições. Na Índia se denominam siddhis a estes poderes parapsicológicos adquiridos pelo yoga. Todos estes poderes que estão latentes no homem comum se despertam através do yoga sexual, pois são postos em atividade centros mágicos do cérebro, habitualmente adormecidos. Foi dito que a energia sexual é a arma mais poderosa no arsenal do mago e isto podemos corroborar facilmente. Com o yoga sexual é visualizar e influir mentalmente durante horas com grande intensidade e prazer. Realmente, é um bom negócio trocar o orgasmo pelos poderes parapsicológicos.

Através da energia sexual acumulada, o mago adquire uma incrível capacidade de criar e manipular as formas de pensamento. Se antes era difícil ou cansativo concentrar-se e visualizar, agora lhe será muito fácil e agradável fazê-lo. Só neste estado é quando possuem eficácia as rezas e orações. Também as vozes astrais ganharão objetividade e validez. Desenvolveremos uma poderosa intuição e nossos sonhos serão cada vez mais premonitórios. Todas as técnicas deste livro poderão ser executadas com incrível maestria. Todo desejo ou palavra haverá de materializar-se rapidamente, pois todos os obstáculos haverão desparecido e nada será deixado para o azar ou a casualidade. Com suas práticas sexuais o yogi faz com que o mundo se torne mágico para ele e assim tudo se faz possível. Ao dominar a si mesmo, o yogi alcança o domínio supremo sobre o mundo e se torna respeitado por animais e homens. Assim, será contemplado por todo o universo, diante de quem haverá chamado poderosamente a atenção por causa de sua grande acumulação de energias.

Ainda há níveis mais profundos aos quais podemos chegar por este yoga. Em um nível superficial, técnicas parapsicológicas como as de influência sexual nos servem para solucionar conflitos cotidianos, de casais por exemplo. Em um nível mais profundo, estas experiências são úteis para convencer-se da própria capacidade de influir magicamente sobre pessoas e eventos. Mas há um nível muito mais profundo, a esfera espiritual, em que a energia sexual é utilizada para despertar e liberar o espírito. Por isto “Sexo Psíquico” é o nome deste livro, porque o sexo pode ser utilizado para alcançar desde os objetivos menores até os maiores. Por isto este é o capítulo seis, pois seis é o número do sexo. Devemos ter sempre presente que o único que levamos deste mundo físico são nossas conquistas e aquisições espirituais. Com as práticas deste yoga começa a luta do homem contra os impulsos de seu corpo e de sua alma animal. Com estas práticas está ferida de morte esta besta polimórfica interior que procurava esvaziar de energias e possibilidades o homem. Este é seu verdadeiro inimigo, quem busca levar o homem de orgasmo a orgasmo até sua completa aniquilação.

Quem pratica este yoga se transforma em um duas-vezes-nascido. Em alguém que morreu e ressuscitou em uma só vida. Em alguém que morreu em vida para viver na morte. Quem triunfe com este yoga haverá passado mais além do bem e do mal e haverá se emancipado das leis morais e cósmicas que regem para o resto dos homens. Também o tempo, que corre tão depressa para os demais e que havia começado a transcorrer mais lentamente desde o começo das práticas, chegará a deter-se por completo. O yogui é situado assim em um eterno presente, na realidade verdadeira, pois o tempo tal como o conhecemos é uma ilusão. Assim, conquistador do tempo e da morte e liberado de suas leis, a quem jamais voltará a temer, pode conseguir em uma só existência o que a outros levaria milhões delas se aplicassem outros procedimentos.

Com as técnicas do yoga sexual se queima e incinera o Karma, nossos erros e dúvidas de passadas vidas, não tendo já nada mais que pagar e liberados para sempre de contrair novas, pois tudo está agora permitido.

Através destas práticas, o yogi pode romper o véu de Maya, a grande ilusão que mantém cativos os homens e onde reina desde sempre a dualidade e a relatividade.

Por último, haverá de romper a cadeia do Samsara, a roda incansável de reencarnações a que está sujeito e à qual não voltará mais. Já não reencarnará mais, a menos que o deseje.

Sem energia, todo homem é menos que um gusano. Bem vale a pena imolar o fugaz orgasmo para nos tornarmos credores de tais benefícios. Os que duvidam de seguir este caminho, é porque necessitam seguir sofrendo e equivocando-se durante um tempo mais. Isto é assim porque só quando está farto de sofrimentos, um homem é capaz de empreender o caminho de retorno a seu espírito.

 

Esse post foi publicado em Outros Textos. Bookmark o link permanente.

16 respostas para Yoga Sexual

  1. Nadja disse:

    E o orgasmo “para a vida” não conta? Para que tanto acúmulo de energia se não se pode dela usufruir em movimento corpóreo? dançar, correr, cantar,namorar. Passar por toda uma vida sem sentir o orvalho, o vento, compartilhar com e do amor das outras pessoas. Renunciar a tanto apenas para se tornar um “mago”? Que desperdício! Tanto Poder apenas para ser capaz de “comandar uma realidade invertida”, de fora para dentro? Acredito que a capacidade de “transitar” entre as duas realidades é bem mais benéfica e energética. Quem renunciaria a tamanha e verdadeira potência?

    • brasil disse:

      O texto não é contra o sexo ou o orgasmo, o texto recomenda um orgasmo por semana. A abstinência orgástica só é recomendada por algum tempo para reparar o cérebro com as energias que perdeu se houve excesso de orgasmo.

      Obviamente o texto também não é contra sentir o orvalho, o vento, compartilhar o amor, dançar, namorar, etc… não sei porque você citou essas coisas.

      Quanto à inversão, nisso você está certa, é o caminho da volta, da morte.

  2. Nadja disse:

    A morte está atrelada aos sentidos. Ainda que o caminho da ida seja o da volta, existem os atalhos. Pode-se retornar um pouco no caminho da volta e mudar a direção. O que acontecerá ao “orgasmo recolhido”, se o cérebro não tiver a capacidade de “processar” tanta energia ?

  3. Nadja disse:

    Perdõe-me, foi apenas uma brincadeira. Não entendo nem quero entender nada de Yoga. Para mim, com exceção dos exercícios físicos , é desperdício de energia.

  4. Roni Martins disse:

    Pessoal,

    Pelo que entendi deste maravilhoso texto, o conceito de orgasmo que o autor divulga é somente quando há o derrame seminal, porem temos na Magia Sexual, o que o autor conceitua corretamente como Yoga Sexual, a possibilidade do orgasmo real, ou seja, o prazer intenso, sem o derrame seminal. Neste caso teriamos todas as recompensas e ainda teriamos os orgasmos. Nào sei se autor do livro mostra, porem existe uma tecnica de fortalecimento do esfincter, acho que este é o nome, que permitiria o orgamo completo e possibilidade de segurar o derrame.

  5. wagner Martins disse:

    Texto muito esclarecedor. Obrigado! Um tempo venho patinando estagnado nas praticas do Tantra, limitado porque não sou iniciado…(pelo ao menos nao nesta vida) sem a certeza de estar praticando corretamente a nao ser pelos excelentes resultados, as vezes com medo de estar cometendo erros… aqui já deu pra tirar algumas duvidas, mas gostaria de me aprofundar, pode me indicar a bibliografia do assunto? website local de aprendizagem etc… qual é a modalidade do Yôga citado no texto Swatia ? Hatta? Se quizer poderia me mandar algo pelo e-mail , Estou muito grato!

    • brasil disse:

      Olá amigo

      O texto é tomado do livro Trabajos Parapsicológicos Infalibles, um livro que ensina técnicas de magia negra para influenciar pessoas entre outras coisas. Atualmente o consenso entre os cientistas é que essas coisas não funcionam. Porém existem alguns cientistas que crêem em tais coisas (fenômenos não aceitos pela ciência). Mas isso não importa porque o que ocorre é que no livro há uma seção dedicada ao sexo que é essa que eu traduzi do espanhol, e também há mais uma parte onde fala da ingestão de sangue menstrual entre outras coisas. Acredito que o autor usou o nome Yoga apenas no sentido que ele explicou no início do texto (união) como sendo o objetivo da prática, infelizmente eu não sei nada mais sobre o assunto e tudo o que sei é o que está no texto.

      Obrigado por visitar o site

  6. João Ferreira disse:

    Comecei praticar o acúmulo das energias sexuais percebi, percebi minha auto-confiança e um magnetismo absurdo , no começo foi dificil , senti dores de cabeça,tristeza, e outros sintomas que passaram em poucos dias …
    e realmente percebi que muita coisa mudou ….
    Espero nunca mais ter orgasmo, só quem pratica entende .

  7. Andras disse:

    Há muitas mentiras nesse texto, mas também muitas verdades que a maioria desconhece simplesmente porque, a exemplo da alimentação, a nossa sexualidade também é cultural e tendenciosa, e não um movimento autêntico da consciência. Pensando nesse aspecto, sim, é um bom texto!

  8. João ferreira disse:

    Realmente passei bastante tempo de abstinência , até que teve um dia que fui dormir a acordei suando frio , coração acelerado … e acabei tendo orgasmo por medo de ta fazendo mau… mas no que diz respeito a minha pessoa , eu tenho bastante controle … por isso falei no comentario anterior com tanto entusiasmo… até então estava fácil pra mim .
    Mas como falei anteriormente quem conseguir passar além do seu normal sem orgasmo percebe mesmo as coisas citadas no texto…
    Mas além disso, percebi outra coisa ….chegou um momento em que eu tinha muita energia contida e acordei de mau humor nesse dia … as coisas ficaram terrivelmente pior…
    Minha teoria é que pra lidar com essas energias é preciso ter um certo controle mental e emocional , para saber direcionar essa energia…
    Ela pode fazer o bem quanto o mau.

    • Paulo Triguis disse:

      Ola amigos, primeiramente gratidão pelo compartilhamento deste conhecimento.
      Gostaria de lembrar a todos que nossos vicios e hábitos não nos permite compreender a realidade tal qual é, este atributo é conhecido como avidya(não compreensão) dentro da busca, a prática de Yoga. Avidya traz a ilusão de maya, a busca de todo yogue é moksha, ou seja, a liberdade da triste condição humana. Qualquer trabalho q traz a liberação de um hábito irá gerar transtornos iniciais, meramente iniciais, como por exemplo parar de fumar, deixar de dormir após o almoço, servir mais do que pedir, evitar a televisão, esta é a morte com a qual convive qm busca transcender a própria vida, onde foi mto bem citado no texto “morrer na vida para viver na morte”. Caros amigos “buscadores”, qm pode dizer o q é a verdade ou o q é a mentira? Deixem de julgar, de super valorizar o seu ponto de vista, estejam atentos aos movimentos inconscientes do Ego. Apreciem, o orvalho, o vento, o texto, as filosofias, e não se desgastem desmerecendo a conduta e crendice alheia.

      Gratidão!
      Namastê!

      Paulo Triguis

  9. Nihilus disse:

    Interessante a forma como o autor demonstra a pratica,de forma muito mais pratica do que é costume em textos esotéricos.Tenho praticado religiosamente os yogas descritos no site(sexual,mental e respiratório) e tenho sentido os ‘efeitos colaterais’ diariamente: aumento absurdo do magnetismo pessoal(como trabalho com publico isso é fácil de medir),aumento da concentração e maior facilidade em visualizações,autoridade maior sobre os que me rodeiam,pre-disposição imediata para sexo…
    Caso alguém tenha interesse em montar um grupo de estudos sobre a obra do autor ou algo semelhante por favor se manifeste.Grato.
    Nihilus

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s